registros de um terrasse parisiense

Terrasse: espaço, coberto ou descoberto, à frente de um bar.

Estou escrevendo em um Indiana Café. A chuva começou a cair, e ninguém estava esperando por isso. Algumas pessoas estão correndo enquanto cobrem a testa com as mãos. Estou no cantinho interno do terrasse coberto. À minha frente, umas mesas que ficaram recentemente desocupadas. À minha direita, uma ampla parede de vidro e os riscos da chuva. Aos meus pés, um passarinho que belisca a pontinha de uma batata frita. Nos meus fones de ouvido, uma playlist com as valsas de Chopin, que apesar de ser mais propícia a um bosque ensolarado, está combinando com o raio que brilha dentro de mim.

Faz poucos dias que os terrasses foram liberados por aqui, e como era de se esperar, os franceses se jogaram nas mesinhas como criança mergulhando de bombinha na piscina. Se você está vindo para a França, saiba que a cultura do terrasse é algo que os franceses guardam como um tesouro, e faz parte do cotidiano francês, assim como cigarros e reclamações.

O céu muda a cada pouco, e agora ele está homogeneamente pintado com apenas 1 tom de cinza claro. A chuva está fazendo charme, indo e vindo, só para chamar nossa atenção. Eu almocei um veggie bowl enquanto via a interação dos adolescentes franceses a minha volta. Pelo visto, esse café é frequentado por pessoas jovens - mais jovens do eu.

Nenhuma das mesas ao meu redor contém pratos que eu pediria. Carnes de frango e de gado. Hambúrgueres mergulhados em ketchup. Copos largos e mais longos que o comprimento da minha mão preenchidos com sucos tão coloridos que não me parecem sucos. Faz anos que eu larguei o consumo de refrigerantes e sucos "naturais". As únicas bebidas que realmente me dão prazer são água, café, chá e vinho. Não crie uma imagem falsa de mim. Eu não sou, e nem pretendo ser, uma mulher natureba. Seria muito difícil pertencer a esse estilo de vida, já que eu como tanto bolo que um dia desses achei que tinha me tornado um.

Acabei de receber meu cafezinho de uma garçonete que aparentemente começou a trabalhar a pouco tempo aqui, já que a gerente não para de dar explicação - em um volume mais alto que o necessário. Vou dar umas beliscadas nesse café e no meu livro, assim como aquele passarinho. A chuva parou agora, e quando ela parar de novo, vou aproveitar para ir embora.
:)
Posts que você vai amar:

Comentários

  1. Que leitura descritiva e gostosa, li e tive a sensação de dividir um café ao seu lado em um café francês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii, Guilherme! Obrigada! Era esse o intuito hahaha um beijo!

      Excluir
  2. Oi, Amanda!
    Eu nem sei dizer o que senti lendo esse post. É como se eu estivesse com você esperando o café, observando o redor e comentando sobre o que vemos. Dá uma melancolia, sei lá, esse misto de alívio em saber que essa vida ainda existe e agonia em não saber quando vai acontecer por aqui. Obrigada por seu relato!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii, Luly! Nossa, eu fico tão feliz com esses comentários. Feliz de saber que eu passo uma coisinha boa do outro lado da tela. E sim, eu entendo esse teu sentimento, e espero que essa onda logo passe. Eu vou voltar para o Brasil logo logo, e espero me sentir livre e segura.

      Excluir
  3. Que sensacional a forma como você escreve, parece que estou lendo um livro e participando do momento com a autora ♡

    www.blogresenhando.travel.blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Júlia! Obrigada <3 Esse post era para ser apenas um registro do momento, mas pelo visto a galera gostou haha

      Excluir

Postar um comentário