1 ano de Work Of Art! como e por que comecei a blogar

café-escrivaninha-home-office-blogueira-cadernos-papelaria-blog-criatividade-blogosfera-work-of-art

Sempre fui uma criança muito inventiva. Lembro de ter vários caderninhos, e eu os carregava para cima e para baixo, desenhando e anotando qualquer ideia que acendesse na minha cabeça; documentando meus dias, minhas paixõezinhas e minhas implicâncias com meu irmão mais velho. Há alguns anos atrás encontrei um desses cadernos em alguma gaveta na casa da minha mãe, e fiquei chocada com as descrições detalhadas e riquíssimas em sentimentos que a Amandinha criança era capaz de criar naturalmente.

Durante minha adolescência, eu passava noites e madrugadas ouvindo música, tocando violão e cantando (mal kk), e isso fazia aflorar muito sentimento dentro de mim a ponto de não existir mais espaço. Eu escrevia canções e poemas e os guardava em algum caderno só para mim, pois minha insegurança ainda falava mais alto.
Anos se passaram, e eu ainda escondia essa criatividade no fundo da gaveta, até que, em 2016, duas escritoras me inspiraram: Caitlin Moran (Como Ser Mulher) e Jout Jout (Tá Todo Mundo Mal). O conteúdo desses dois livros é muito bacana, mas o que me puxou para dentro das páginas foi a forma divertida e casual na qual as autoras se expressam. Elas deixaram na minha boca um gostinho de quero mais.

Esse sabor que eu estava sentido era algo novo, doce, apimentado e divertido que excitava o meu peito. Pela primeira vez eu estava experimentando a adrenalina de transformar essa onda de sentimento e criatividade em algo tão divertido e tão casual quanto os textos de Caitlin Moran e Jout Jout. E não queria apenas consumir esse tipo de conteúdo, mas criá-lo. Eu queria que mulheres lessem e se identificassem com meus relatos da mesma forma que me identifiquei enquanto devorava Como Ser Mulher e Tá Todo Mundo Mal. Eis que crio meu primeiro blog. Simples assim.

café-escrivaninhblogueira-livro-poesia-blog-criatividade-blogosfera-work-of-art

Eu não sabia como essa tal de blogosfera funcionava, tampouco conhecia o termo blogosfera. Criei meu primeiro blog na plataforma Blogger, e lá compartilhei minhas primeiras crônicas, trazendo situações bem íntimas do meu mundo, do meu mundo feminino, do meu mundo feminino em uma sociedade patriarcal. Eu consegui dar corpo a essas crônicas de forma leve e cômica - foi basicamente um rir para não chorar. Relato De Uma Calcinha Fio Dental e Meu Primeiro Sutiã foram minhas primeiras crônicas, e, para minha surpresa, minhas amigas amaram, algumas mulheres compartilharam, e os comentários que recebi carregavam muito carinho e apreciação. Eu obviamente não tinha a fama das autoras que me inspiravam, mas eu me sentia recheada e coberta de realização e de motivação para escrever cada vez mais.

Os meses foram se passando, e como uma criança à beira da piscina em pleno Verão, eu mergulhei com tudo nessa blogosfera, abraçando escrita e fotografia como os hobbies mais fantásticos que eu poderia ter, pois eram gratuitos e zero-limites no que diz respeito às ferramentas de criação.

Eu me permiti experimentar, e meu primeiro blog, cujo nome era Amanda Moresco (super original aham), foi um espelho de todas essas fases, mudando uma, duas, três, quatro, cinco vezes, e quantas mais fossem necessárias. Crônicas, resenhas de cosméticos (eu acreditava que blogar era = escrever sobre moda e cosméticos), viagens, fotografia, cotidiano, poesia, vida na França... Meu nicho foi mudando, bem como os nomes dos meus blogs e as plataformas utilizadas.

Durante um certo tempo, eu julgava esse meu processo, achando que eu não tinha personalidade, ou que eu não era capaz de me fixar a algo por muito tempo. Contudo, hoje eu enxergo o quão importante foram essas transições e todos os aprendizados que absorvi delas. Eu me permiti mudar, e ça c'est magnifique!

Eu blogo desde 2016, mas o blog my life as a work of art está completando seu primeiro aniversário agora em Novembro. Ele veio para ficar, pois eu (re)descobri algo que amo: compartilhar! Nesse blog, eu compartilho meu cotidiano e minhas descobertas de forma artística. Aqui, eu compartilho reflexões e sentimentos, assim como a Amandinha da infância fazia em caderninhos aleatórios. Esse blog é uma extensão mais floreada de mim.

Tem vezes que escrevo umas postagens que quase ninguém lê. Tem postagens que atingem 2 mil visualizações em 24h (o que é um bom número para um blog baby com quase zero marketing). Números à parte, o que me motiva a criar e blogar são os comentários que recebo no blog/insta/face de leitores agradecendo pelos posts, que de certa forma os inspiraram a fazer o mesmo, a fazer diferente, a iniciar algum projeto adormecido e empoeirado, a acreditar mais em si, a conhecer uma outra perspectiva, enfim, mensagens tão amorosas que quase posso sentir o carinho na pele.

Muito obrigada a todos que passam por aqui e tiram um tempinho para ler o que só mais uma blogueira aleatória tem a dizer. Um abraço apertado <3

Comentários

  1. Tá ai uma coisa que eu adoro. "Eu me permiti experimentar..." quantas coisas absurdas ou geniais saem quando a gente se permite né? Acho que é absolutamente normal TODA as mudanças e transições e necessárias tenho um blog pessoal á 7 anos... E ele é o resultado de várias mudanças na blogosfera.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo um ano desse blog, Amanda! Que ele continue sendo esse lugar para compartilhar suas criações. Estou aos poucos lendo os posts antigos e amando os escritos de Amanda hehe.

    www.umnovodestino.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Form for Contact Page (Do not remove)