Aprendi com as francesas: roupas largas e confortáveis + análise de um guarda-roupas sem carinho

Calças e shorts largos, longas saias e vestidos, blusões e jaquetas que te acolhem como se você estivesse enrolada em um cobertorzinho quentinho no sofá de casa, e tudo isso sem perder o estilo. Uma das coisas que aprendi com as francesas é que devemos vestir conforto e praticidade. Fico embasbacada quando olho para trás e analiso meu antigo guarda-roupas e me dou conta da quantidade de peças coladas e apertadas que ressaltavam as curvas que aprendi a odiar.

Assim como qualquer outro tipo de arte, a moda vem e vai e está em constante movimento e transformação. E eu caí sem paraquedas em uma pré-adolescência bombardeada pelos corpos "ideais" de Beyoncé, Gwen Stefani, Jennifer Lopez e aquela explosão poderosa chamada The Pussycat Dolls. Amo todas elas do fundo do meu coração, mas essas mulheres (ou a mídia por trás delas) me trouxeram uma busca incessavelmente dolorosa de um corpo que eu almejava ter, mas não sabia ao certo o porquê. Além disso, elas me apresentaram um estilo sexy, curto, desconfortável, nada prático e à vácuo que é lindo demais, mas não para meu corpo, nem para a concentração de tecido adiposo com a qual minha adolescência me presenteou e que ainda deixa resquícios no auge dos meus 27 anos.

Vocês lembram daquelas saias de bandagem à vácuo? Eu lembro como se fosse um trauma... Eu não sei porque eu insistia em usar aquele pedaço curto de pano para ir à uma festa e passar longas horas puxando essa saia (ou a falta dela) para baixo, enquanto aspirava minha barriga para dentro na esperança de parecer mais magra haha. Sinceramente, aquela saias eram confeccionadas com o tecido da tortura e da falta de carinho.

E o que dizer sobre aqueles saltos-altos? Pelo amor da deusa... O que eram aqueles saltos-altos que eu comprava? Convenhamos, aquilo não era um par de sapatos, mas um par de autossabotagem. Qual era a necessidade de calçar sapatos que faziam meus pés latejarem antes mesmo de entrar na festa? Como disse Beyoncé, pretty hurts (o bonito machuca), mas o que é esse "bonito"? E bonito para quem? Para ninguém, pois ninguém acha sexy uma mulher com cara de quem está sofrendo e louca para ir embora - pelo menos isso não deveria ser considerado sexy.

Felizmente o tempo passou, e eu comecei a cultivar novas prioridades. Não há lugar mais leve, bonito e fresco do que o amplo espaço que se encontra dentro das minhas saias esvoaçantes e meus longos vestidos. Hoje em dia não consigo mais vestir calças skinny, pois desaprendi a usá-las, ainda mais porque a volta do estilo dos anos 90/00 se encontra em qualquer vitrine por aqui, e isso significa que tem calça boca-de-sino para todos os gostos :) Recentemente, comprei uma calça boca-de-sino branca cujo sino começa a abrir já no quadril, ou seja, é tão confortável quanto uma longa saia jeans.

Está mais do que na hora de desconstruirmos o que conhecemos por "estilo". É um processo, viu? E na hora que você estiver pronta para reconstruir esse conceito, tenha em mente que suas roupas são mais do que uma forma de expressão; são uma proteção que cobre o que você possui de mais valioso: seu corpo, seu templo sagrado.

Comentários

  1. A moda que eu quero pra minha viA moda que eu quero pra minha vida�� sempre preguei o conforto e até que enfim isso esta sendo um pouco divagando pelas marcas. Uso GG e muitas vezes já fiquei sem ar por causa de calça jeans.
    Hoje eh quero é paz. Amo seu blog.da�� sempre preguei o conforto e até que enfim isso esta sendo um pouco divagando pelas marcas. Uso GG e muitas vezes já fiquei sem ar por causa de calça jeans.
    Hoje eh quero é paz. Amo seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Que post mais lindo! Fazia um tempinho que eu não vinha aqui no seu blog, e sempre é inspirador ler os seus posts <3 Conforto é tudo pra mim e eu não abro mão na hora de escolher as roupas

    ResponderExcluir
  3. Isso Conforto e Bem Estar sao tudo mesmo 💜

    Legal esse seu post

    ResponderExcluir
  4. Olá, Amanda.
    Muito bom e bem-vindo o texto. Gosto de textos com o tema 'guarda-roupas'.
    Destaco as partes que mais gostei: "Uma das coisas que aprendi com as francesas é que devemos vestir conforto e praticidade." "(...) tenha em mente que suas roupas são mais do que uma forma de expressão; são uma proteção que cobre o que você possui de mais valioso: seu corpo, seu templo sagrado."
    Um beijo. 💋
    ~Cartas da Gleize. 🖂

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Form for Contact Page (Do not remove)