tem dias e dias - aprendendo a amar cada um deles

Tem dias que eu acordo a mil pelo Brasil pela França já me alongando, passo um café preto com canela, vou para o trabalho escutando alguma música super empoderadora, subo trotando toda e qualquer escada, preparo umas comidinhas saudáveis, dou amor para minha família e amigos por telefone, respondo todos os e-mails da caixa de entrada, volto para casa já arrumando o quarto, coloco roupa para lavar, aspiro o chão, escrevo para o blog, organizo minha agenda da semana, estendo as roupas no meu mini varalzinho, vou para o banho, faço uma make simples mas lacradora e me jogo no primeiro bar que vejo pela rua em busca de um pint de IPA - uff! Tenho dias assim, e me sinto super mega duplo twist carpado produtiva, útil e preenchida.

Todavia, não me esqueço de que tem outros dias... Aqueles dias que tudo o que eu quero é sentar na poltrona de pernas pro ar e comer pasta de amendoim de colher. Ponto. E como eu me sinto em dias assim? Como você se sente em dias assim? Há um tempo atrás eu apontaria mil dedos na frente do espelho e julgaria cada minuto desperdiçado do meu dia. Improdutiva. Preguiçosa. Lenta. Trouxa.

Como mencionei no post a culpa de viver leve, estamos tão acostumados à necessidade de sermos produtivos e a viver sob pressão (e estranhamente sentir orgulho disso) que nossos dias "normais e não produtivos" são vistos como dias de fracasso, e devemos sentir o peso da culpa comprimindo nosso peito. Às vezes tenho vontade de colocar um caixote no meio da rua, subir nele e gritar: paraaaaaaa tudoooooo! Tá tudo bem ter dias assim, e isso não te torna menos humano, menos digno, menos inteligente, menos interessante ou menos interessado na sua própria vida e afazeres, então pare de maltratar e atormentar seu próprio ser, pois você é só um ser humaninho tentando jogar conforme as regras do jogo da vida.

Desde que comecei a me inteirar sobre ginecologia natural, mandala lunar e a prestar atenção no meu ciclo e nos sinais que meu corpo me manda, aprendi a respeitar e valorizar qualquer dia, seja ele sambando na cara da produtividade, ou mergulhada em um pote de pasta de amendoim. E isso também vale para homens, mesmo não sendo cíclicos como nós mulheres. O importante aqui é analisar como vivemos nossa vida, bem como tratamos nosso corpo e mente: nosso templo sagrado. Você já parou para pensar o que está causando tal preguiça e desmotivação? Se sim, ótimo! Se não, saca só essa listinha:
  • falta de horas decentes de sono;
  • muitas ressacas ao longo da semana;
  • alimentação pesada;
  • falta de alongamento/exercício físico;
  • ciclo menstrual;
  • deficiência nutricional;
  • você precisa de um projeto novo que te instigue e motive;
  • algum quadro que deva ser analisado junto de um profissional especializado (ex: depressão);
  • você está doando sua energia para tudo e todos, esquecendo de guardar um pouquinho para si e seus lazeres, que te trazem satisfação e contentamento.
Sério, um simples hábito que revoluciona meus dias é jantar e dormir cedo. A manhã do dia seguinte é sempre mais leve quando faço isso, e isso gera motivação para cuidar cada vez mais do meu espiritual > emocional > mental > físico, como se um refletisse no outro. 

Quando enfrento dias em que minha energia se encontra mais baixa, procuro ser paciente comigo mesma - aquilo que sempre digo sobre ser seu próprio amigo, sabe? Geralmente faço uma listinha com qualquer coisinha pequeninha que cumpri, como a preparação de um chazinho de framboesa ou a organização de uma única gaveta. Tarefinhas simples mesmo, pois hoje em dia entendo que não preciso estabelecer expectativas altas a todo momento. Converso comigo mesma, sou grata pelo nascer do sol e compreendo que tem dias e dias :)

Comentários

Form for Contact Page (Do not remove)