tela crua da alma

Desde que resolvi me tornar minha melhor amiga (sim, é possível!), uma mágica jornada espiritual e de autoconhecimento começou a faiscar dentro de mim, e em algum dos muitos vídeos e livros que devorei sobre o tema em questão, deparei-me com uma analogia entre nossa alma e a tela de um artista. Quando nascemos, nossa alma é uma tela crua sem cor alguma, e esse é o genuíno aspecto de quem somos, contudo, enquanto crescemos recebemos pinceladas das mais variadas cores de diversos pintores afora. Esses pintores são nossa própria família, amigos, professores, vizinhos, a cidade onde moramos e nosso meio cultural, a mídia, traumas, bloqueios e tudo o que nos cerca e nos molda. Cada influência a nossa volta deixa uma marca de cor em nossa tela e, por vezes, quando analisamos essa obra de arte que somos, enxergamos tantas cores, tantas marcas e manchas, que já não podemos mais lembrar a crua e pura cor de nossa alma.

Não sabemos quem somos. Não reconhecemos nossa essência, e se por alguns segundos resolvemos desbotar todas essas cores do nosso tecido e explorar o indivíduo que habita nossa carcaça, recebemos críticas e julgamentos. Acredito que há um delicado véu que separa quem achamos que somos de quem realmente somos, e para reconhecer tal diferença, temos que despavimentar muitas estradas que já construímos ao longo dessa caminhada.

Como saber quem somos e como queremos viver nossa vida? Bem, não sou coach nem psicóloga; sou apenas mais um ser nesse planeta tentando viver esse jogo da vida sem um manual de instruções, mas descobri que sempre que me permito a mudanças, estou um passo à frente em direção ao autodescobrimento, em suma, não estabeleço rígidos rótulos para mim mesma. Temos a mania de dizer sou assim, sou assado, sempre faço isso, não tenho jeito para aquilo, mas talvez – e muito provavelmente – essas características que nos impomos não são a representação da tela crua da nossa alma, e sim mais alguma cor que cobre e esconde quem somos.

Se você almeja se descobrir, prepare-se para a desconstrução, para deixar para trás tudo o que você conhece, para se permitir e experienciar os momentos mais lindos e memoráveis da sua vida – prepare-se para começar a viver! Esqueça todos os rótulos e limitações que te impedem de arriscar. Pare de dizer que não é bom com as palavras, que não gosta de ler sobre determinado assunto, que não consegue falar em público, que tem medo de amar, que não leva jeito com instrumentos musicais. Pare de dizer que é teimoso, pois teimoso você se tornará. Para imediatamente de dizer que só consegue produzir à noite, ou que não consegue acordar cedo. Pare de dizer não para você mesmo. Em que momento na história da sua vida você comprou essas ideias e as tomou como verdades absolutas? Faça uma limpa! Descarte quem você pensa que é e abra espaço para quem você quer se tornar.

Já pensou em fazer aulas experimentais? Aula de canto, violão, piano, pintura, escultura, yoga, pole dance, arco e flecha, patinação. Procure no Facebook grupos de pessoas que pratiquem esportes coletivos como vôlei, handebol, futebol e abra-se para conhecer novas pessoas, fazer novos amigos, escutar outras perspectivas. Que tal deixar um pouquinho de lado aquele bar ou café que você sempre vai e começar a explorar novos ambientes na cidade onde mora? Experimente comidas e bebidas que você nunca antes provara, pois cada pequena mudança conta. Como você quer se conhecer se você faz sempre as mesmas coisas e mantém os mesmos hábitos? Food for thought. 

Minha vida deu um salto extraordinário quando parei de perguntar a opinião alheia quanto ao que eu deveria fazer. Já me encontrei em diversas bifurcações da vida e não sabia qual caminho tomar, e não sei porque diabos, em vez de simplesmente escrever em um papel os prós e contras de cada caminho e começar a caminhar, eu pedia opinião para todas as pessoas relevantes na minha vida. Olha, há um número considerável de pessoas relevantes na minha vida, e cada uma delas expressava sua opinião, o que me deixava cada vez mais confusa, moldada e influenciada com aquelas diversas cores que não pertenciam à tela da minha alma. Isso vale para qualquer bifurcação que você por ventura encontrar, ou seja, se você quer largar a faculdade, vender o carro e fazer um intercâmbio, aprender coreano, tornar-se vegetariano, terminar o namoro, pintar o cabelo como um unicórnio mágico, fazer uma tatuagem na bunda, pense três vezes antes de pedir a opinião de alguém. É claro que discutir possibilidades com pessoas que amamos sempre pode nos trazer uma luz, mas o que a faísca que mora dentro de você está dizendo? More food for thought.

E nessa linda jornada de desbotamento de cores e exploração do seu novo ser, você vai mudar uma vez, duas vezes, três vezes ou quantas vezes você achar necessário e conveniente, e tudo bem! Faz parte do processo, viu? Nada é imutável. Nada é para sempre. Aceite que tudo se transforma a cada instante, inclusive você :)

Comentários

  1. Que lindo texto! Realmente, quem somos, nossa personalidade, está inteiramente moldada pelo meio que crescemos, pelos ensinamentos que nos foram passados, e etc. Mas, a gente tem o poder de escolha: escolher aceitar o que nos foi ensinado e seguir aquilo ou não. Só que muita gente não sabe disso, apenas aceita, e por isso não se conhece tão bem.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que ninguém sabe exatamente como quer viver a própria vida. Todo dia é uma inconstante, um eterno ciclo de autodescoberta. Se livrar de pré-conceitos e de coisas que foram ensinadas a nós é muito difícil. Eu mesma sei que estou longe de alcançar uma liberdade, por isso sempre tento experimentar coisas novas, mesmo que muitas vezes seja mais confortável ficar quietinha no meu canto. A gente vai tentando. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ps: eu repito que seu blog é um chuchu de tão maravilhoso <3

      Excluir
  3. Que texto incrivelmente lindo.
    Essa questão de nos tornamos nossa melhor amiga é mágico tbm, eestou nessa fase de reconstrução, de me autodescobrir e tem sido um pouco dificil e esse texto me trouxe um ânimo da vida a mais rs e a parar de pedir tanto a opnião de quem não acrescenta em nada na minha vida

    ResponderExcluir
  4. Às vezes o universo manda pra gente coisas que precisamos ler. Eu estou em uma dessas bifurcações da vida e sai perguntando pra todo mundo o que achavam que eu deveria fazer, mas só me enrolava mais porque era difícil explicar as minúcias da situação que já é um tanto complicada. Isso só fez com que eu ficasse ainda mais tensa no decorrer dos dias conforme as coisas saiam do meu controle. Decidi que vou ouvir o que a minha alma já me dizia para fazer desde o começo, o que me deixa um pouco ansiosa mas também muito feliz. Obrigada por esse texto, foi uma inspiração muito importante, de verdade!

    ResponderExcluir
  5. A grande questão de confiar na opinião alheia sobre o que devemos fazer é que as pessoas opinam sobre nossa versão como pessoas que existe na cabeça delas... Mas quando a gente aplica na vida real, a que vai viver é a NOSSA versão, mesmo que ela não esteja clara em nossa mente (e, sinceramente, será que um dia vai estar?). Isso não quer dizer que não é válido aceitar conselhos, claro, vida em sociedade é isso aí, mas o que fazemos com esses conselhos só a gente vai decidir.
    Eu amei seu textos loucamente. Por um mundo com mais SIM, não todos, mas vários!

    ResponderExcluir
  6. Quando será que tornamos inimigos de nós mesmos... Sou formada em Psicologia e o seu texto me deu tapão na minha cara. Pois sou a pessoa que mais me julgo, mais me critico... E quero a opinião alheia por algo que só eu mesma posso fazer... Não posso ser considerada a minha amiga

    https://www.ladomilla.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem? Acho incrível reflexões assim. Parar para nos analisar, pensar em quem somos e como o meio em que vivemos nos afeta e transforma nos faz amadurecer muito. Realmente nascemos como uma tela em branco, mas as experiências que vivemos ao longo do caminho vai nos moldando. Lógico que algumas não devemos levar tão a sério e deixá-las de lado, mas outras tornam-se inesquecíveis. A opinião alheia é uma faca de dois gumes. Tanto pode ajudar quanto nos prejudicar. Tudo depende do poder que damos a isso concorda? Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  8. Que texto maravilhoso. Da pra sentir as nuances de cada frase. Uma jornada maravilhosa que é se descobrir e encontrar como ser feliz consigo.

    ResponderExcluir
  9. Que texto tocante! Eu tb sou minha melhor amiga, depois vem minha mãezinha.
    Eu AMO viajar sozinha, ler na Beiramar ouvindo o barulho das águas, dirigir sozinha ouvindo meus pensamentos e cantando...
    Eu tb já me encontrei em diversas bifurcações e pude obter respostas ouvindo a mim mesma, a Deus em oração e amigos e familiares.
    x

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Form for Contact Page (Do not remove)